DIGNOW

dd25481f-20bb-4f62-8de5-5ff4a655050c

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

A VIDA MÍSTICA DE JESUS










     Escrito em 1929, Harvey Spencer Lewis nos apresenta um Cristo mais humano, mais crível.
     A literatura popular cristã baseia-se praticamente apenas na bíblia oficial e despreza os livros ditos apócrifos.
     Lewis de um modo peculiar desmistifica o Jesus Cristo super-herói, tornando-o mais encantador e admirável.
     Os essênios, a Fraternidade Branca, o Monte Carmelo, a iniciação na cultura e misticismo egípcio foram fundamental na transformação de José em Jesus.
     O livro aborda fatos de menor interesse pelo populacho crente: a infância e adolescência do filho de Maria.
     É costume comum em diversas sociedades o homem adotar um novo nome ao iniciar uma nova etapa na vida, com o Nazareno aconteceu desta forma.
     Jesus, segundo o livro, nascera sob o nome de José por ser o primogênito. Na fase adulta, em concordância com a sua iniciação mística, adotara o nome de Jesus o cristo.
     A formação do jovem José e futuro jesus fora nobre.Tamanha erudição chegou a receber atenção dos intelectuais do templo quando o menino se apresentou para a solenidade que nos dias atuais poderia ser comparada ao B'nai Mitzvá dos judeus.
    As passagens conhecidas de Jesus e descrita com um olhar mais cético e coerente.
    A morte e ressureição de Cristo e descrita com o bom senso que a realidade impõe.
   Segundo a obra, Jesus não teria morrido literalmente,por isso o fato de os romanos não quebrarem suas pernas e retira-lo antes do tempo regulamenmtar em que os romanos retiram os condenados já mortos das cruzes.
    O motivo para tal ação se valeu de uma suspenção da condenação de Jesus a crucificação. Devido essa suspenção o retiraram da cruz antes do tempo sem quebrar as pernas como era de costume.
    Durante a sua recuperação física, Jesus aparecera aos apóstolos quase irreconhecível, como descrito na bíblia. Durante os quarenta dias subsequentes pregou aos seus fiéis seguidores e posteriormente aposentou-se da vida pública.
    Morre e é enterrado no monte Carmelo ,mas, tem seus ossos retirados anos depois por seus irmãos para continuar fomentado o mito da ressureição literal.
    Um livro interessante para quem tem curiosidade sobre esse fenômeno místico que foi e é Jesus Cristo.




PS. Apesar de muitos considerarem os blogs como ecos na internet, eu desejo a quem me ler um feliz 2015.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

KASPAR HAUSER










Vislumbrar um sonho
Entender o mundo
Retumbar tristonho
Intentar a fundo

Ostentar vitórias
Esconder derrotas
Repensar histórias
Responder lorotas

Bondade gigante
Fechado, tão só
Maldade distante
A Morte sem dó

Europa sem filho
Um dom, um mistério.
Denota, seu brilho
Rancor, vitupério.









segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Golpe político-midiático de Campo Grande para o Brasil











       Lendo os jornais locais e nacionais fica fácil perceber o golpismo midiático contra o atual governo federal.
      Os jornais da capital do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, segue a mesma linha editorial dos periódicos nacionais como “Folha de São Paulo”, “Estadão” “O globo” e outros.
      Campo Grande foi a capital que presenciou o golpe no município ao cassarem o mandato de “Alcides Bernal” em seu primeiro ano de mandato por contrariar as oligarquias da cidade morena e do grupo no PMDB  de André Puccineli com aplausos dos latifundiários local.
      Os jornalões nacionais e as emissoras de televisão de abrangência nacional do Brasil procuram obter o mesmo sucesso da capital sul-mato-grossense.
      A grande mídia funciona como uma agência publicitária patronal, pronta para disseminar o conservadorismo, atitudes reacionárias, intolerantes e até mesmo golpistas.
      Slogans, personagens e estímulos de consumo são gerados desde a redemocratização. O termo “petista” é um exemplo disso.
      A maioria dos analfabetos político, desconhecedores da plasticidade atual das siglas partidárias informam-se apenas pelo “Jornal nacional” e as novelas  da rede globo.  Dispensa explicações sobre as diversas atitudes golpistas que tal emissora já praticou no país(Edição do debate Collor x Lula).
     O 11 de setembro de 1973 foi marcado pelo golpe político, midiático e militar incensado pela igreja católica e o empresariado reacionário chileno.
     Na Venezuela , época em que ainda vivia Hugo Chaves, os mesmo atores venezuelanos, Igreja, mídia e empresariado “reaça” tentaram solapar o mandato de um presidente eleito democraticamente.
     Em 1964 os principais apoiadores do golpe militar foram a parcela conservadora da igreja católica, empresariado paulista em sua maioria e a fascinante mídia nativa brasileira.
     Bernal, Allende e até o nosso vizinho paraguaio Fernando Lugo não resistiram a pressão do capital, fascínio da mídia e a ingenuidade do povo.
     Hugo chaves resistiu a tentativa de um golpe que fora apoiado pelos reacionários de todo o planeta. Pessoas que não admitem o contraditório, pobres no poder e diminuição do abismo social.
     O reacionário conservador do Brasil entende que políticas sociais como Pró-uni, fies, ENEM e Bolsa-família são meras esmolas que incentivam o povo ser vagabundo.
     Será que Dilma Roussef irá resistir a pressão da direita reacionária, corrompida que seduzem os espectadores seduzidos pelas grandes empresas de televisão e os impressos jornalões?










segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

VISÃO CALEIDOSCÓPICA





Escrever

   meu delírio

em versos.

Frases

criadas

no átimo

 em que imagens,

devaneios,

  fotogramas

e dioramas

 eternizam

a projeção

do ser .






segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

O FANTASMA





O fantasma perambula pela casa.

O quarto,

Sala

Cozinha.

Nada lhe pertence.

São grilhões

Imaginários.

Vida,

Família,

Convívio inexistente.

Presença etérea,

Insignificante,

Transparente.

Eis um fantasma.







segunda-feira, 24 de novembro de 2014

UM LIVRO NO ESCURO






      Em minha primeira incursão como fomentador de leitura alheia se deu com a ideia do Bookcrossing.
       Bookcrossing é uma ação valiosa incentivada pelo blog Luz de Luma . Nela cada ser leitor poderá fazer seu próximo um praticante da leitura.
       Ler é como cálculos matemáticos, se não houver prática não há sucesso.
       Para por em prática essa nobre função, escolhi um livro que despertasse curiosidade e fosse acessível para um público náo-leitor, muito comum em nosso querido Brasil.
      O livro em questão é “Desenterrando o Passado”, um livro quase autobiográfico de Agatha Christie Mallowan.
      Além de usar o nome de casada, a autora se inspirou no trabalho do marido para produzir a obra.
     Percorri os correios, uma loja alternativa, um banco em busca de um bom lugar para o livro ser resgatado. Nada de resgata-lo.
     Essa atividade levou-me algum tempo e quando foi preciso regressar para casa tive uma ideia. Deixa-lo em uma lotérica.
      O meu primeiro Bookcrossing será questão de sorte.





segunda-feira, 17 de novembro de 2014

TEMPORIZADOR




Tanto faz

O tempo voa

Em milésimos

 O dia vai

Seja relativo

Subjetivo

Ocupado

Jogado fora

Em milésimos

 O dia vai

Tanto faz

Viva ou morra

O que foi escrito

Não se apaga

O que foi dito

Não se cala

Em milésimos

A vida vai




segunda-feira, 10 de novembro de 2014

A ESQUERDA DENTRO DA DIREITA




    O conceito de direita e esquerda chega a ser engraçado como foi abordado nessa última eleição.
    Dentro do espetáculo midiático necessário que são os televisionados debates políticos, o teatral Eduardo Jorge solta a seguinte pérola: - “O partido verde está nessas eleições para corrigir os erros tanto do socialismo quanto os erros do capitalismo”.
    O cidadão minimamente informado tem o entendimento de que estamos no regime capitalista e que estas pífias melhoras que os eleitores do continuísmo, da presidenta Dilma, são apenas “melhorismos” dentro do próprio regime capitalista. Eduardo Jorge fora um engraçado candidato teatral.
    Além desses antigos chavões, a ala conservadora do Brasil criou o termo “Bolivariano”.
    Bolivariano remete-nos a figura histórica de Simon Bolívar, herói sul-americano que livrou a Venezuela, Peru, Colômbia e Bolívia do imperialismo espanhol.
    Hugo Chávez e posteriormente Evo Morales utilizaram esse termo para nomear seus programas sociais.
    Simon Bolívar é um herói sul-americano digno de homenagem, mas, sua demonização é ignorante e insana.
    Mais insana que a demonização de Simon Bolívar é a veneração da mídia nativa a Barack Obama.
    O Brasil de forma nenhuma tomaria medidas semelhantes aos “bolivarianos” na área econômica ou social por que nossa consolidação das leis trabalhistas (CLT ) e o desenvolvimento industrial é muito superior ao dos países citados.
    A quem interessa alimentar o antipetismo e o preconceito com nossos vizinhos do Mercosul ?





segunda-feira, 3 de novembro de 2014

SINTONIA



Vibrar

Posso até

Gritar

Bater o pé

Fazer das tripas coração

O que eu vejo ?

O meu desejo

Refletindo

Seu desejo

Um vai e vem

Lábios

Bocas

Entre ambas

A mesma pulsação











segunda-feira, 27 de outubro de 2014

BRASIL DIVIDIDO?


      O Brasil além de não ter sido mais descoberto por Pedro Álvares Cabral, agora ficou dividido.
      Fico estupefato com a criatividade da mídia golpista  e dos jornalões puxa-sacos da casa grande que vivem de criar slogan para defenestrar os locatários indesejados do planalto.
      O movimento popular, pífio em radicalismo, subserviente ao capital e minimamente desenvolvedor de políticas sociais é visto pelos simpatizantes do conservadorismo de direita como um Josef Stalin que deve ser banido para a antiga prisão siberiana.
      Uma prova cabal que a elite “jacu”, cafona e grosseira, a elite Brasileira é desprovida de qualquer bom senso foi a vaia da presidenta Dilma.
      Os ocupantes da casa grande não medem esforços para rever seus apaniguados no poder, os únicos merecedores de um “enterro de penacho”.
      A revista‘Veja” ,“época” e "isto é" mostraram como ser um veículo de imprensa subserviente aos coronéis e empresários detentores da maior parte do capital do país.
      O agenda setting, o preconceito social, e o massivo discurso midiático dos ícones do futebol, ex-artistas pornô , atores de novela, o “reaça” do Lobão e os descerebrados do stand –up foram os fiéis cabos eleitorais do PSDB. Tudo em vão.
      Por outro lado, Chico Buarque, Beth Carvalho, Zeca Baleiro, o talentosíssimo Chico Amaral, Luiz Fernando Veríssimo entre outros artistas renomados foram alguns dos Cabos eleitorais da petista.
      Essa eleição entra para história como o primeiro confronto de ideias entre a casa grande e a senzala. O slogan do Brasil dividido não irá germinar. A razão venceu a mídia.


segunda-feira, 20 de outubro de 2014

ELITE + PSDB = DISCURSO EMBOLORADO


      Na última semana de campanha eleitoral é possível ver claramente os projetos antagônicos apresentados por Aécio Neves e Dilma Roussef.
      O projeto de Aécio Neves consiste em ampliar as vias neoliberais onde a presença do estado deve ser mínima com desigualdade social ampliada em nome do mercado.
     Qualquer cidadão minimamente informado lembra-se quando a PETROBRAS foi renomeada para PETROBRAX no intuito de ficar mais palatável em uma possível privatização e voltou a ser PETROBRAS devido a estupidez e subserviência ao mercado de Wall Street..  
     Da mesma forma esse mesmo cidadão reconhece que foi um equívoco eivado de propinas a privatização da VALE DO RIO DOCE.
     Na parte de corrupção basta citar a compra de votos para reeleição onde um presidente legislou em causa própria com o aval das elites, Rede Globo, folha de São Paulo e a plutocracia em geral.
     O projeto de Dilma consiste na transferência de renda através do Bolsa família e outros programas.
     As elites, os moradores da casa grande, detestam qualquer forma de transferência de renda. O preconceito é tão gritante que pessoas pertencentes a elite ou suposta elite, afirma que o bolsa-família é uma forma de fomentar os pobres a usar os  filhos como modo de sobrevivência. Quer maior exemplo de preconceito ?
    Gregório Duvivier, ator e criador do site “porta dos fundos”, foi insultado por ser simpatizante de Dilma Roussef.
    O ator Dado Dolabella chamou o ator de “marginal’ por declarar voto à petista.
    É natural a crítica advinda das elites, reflete a insensibilidade com a ínfima transformação social que ocorreu no Brasil,mas, preferem os discursos “embolorados” de sovietização, Hugo Chaves etc.
    É muita irresponsabilidade intelectual ou ignorância afirmar que alguém teria condições políticas de  fazer algum regime totalitário no Brasil.
    Por esse rebaixamento do debate é que a direita evoca generais de pijama por vislumbrar no Brasil uma sociedade capitalista ao estilo do nosso vizinho Paraguai, de Horácio Cartes.










segunda-feira, 13 de outubro de 2014

PSDB PRECONCEITUOSO E INCOMPETENTE


     Essa campanha eleitoral está superando as expectativas das elites e tirando o sono dos desenvolvimentistas.
     É notório que o núcleo duro do PSDB é latifundiário, preconceituoso e plutocrático.
     Fernando Henrique Cardoso apenas ilustrou de forma polida a aversão dos setores elitistas e despolitizado brasileiro.
     Elitista pela obviedade do príncipe dos sociólogos ao referir-se aos nordestinos como uma população com defeitos intelectuais devido a desinformação.
     Qualquer eleitor nato do PSDB possui a mesma linha de raciocínio. Ele é avesso a programas sociais, falam em Cuba como se fosse a “Eurásia” de George Orwel, e regurgitam discursos inflamados contra  a Bolívia  por retomar seu petróleo tal qual fez o Brasil na era Vargas, lançam impropérios contra a Venezuela como se Hugo chaves ainda vivo fosse. Verdadeiro mar de ignorância que passa ao largo do bom debate no campo das ideias.
      Setores mais privilegiados da pirâmide social brasileira sentem muitas saudades do tempo em que viajar de avião era para poucos, automóvel zero quilometro era prazer nababesco, salivado por milhões de olhos excluídos do mercado consumidor .
      Outro fator grave é a intolerância com as minorias GLBT e o movimento negro.
      Se consultar um eleitor alinhado com o PSDB, ele dirá que programas sociais atrasam o governo, é assistencialismo , racismo no Brasil não existe etc.
      Se o benefício Federal for para alguém que habita a casa grande brasileira, o estado tem o dever, segundo o morador da Casa-Grande,  de fomentar investimento para gerar capital a iniciativa privada para trazer divisas para o país.
      O eleitor do PSDB não aprendeu com crise do Lehman Brothers em 2008.
      O eleitor de Aécio Neves vota contra o seu próprio povo por não ter memória do fracasso do real que explodiu em irreversível desvalorização perante o dólar, desvalorização necessária para consertar a maquiagem econômica de FHC, supervalorizou a moeda para incentivar um consumo reprimido e ainda ser o primeiro presidente não ético reeleito.O eleitor do PSDB vive para a casa-grande, o do PT para a senzala.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

BOCA DE JACARÉ



        Por mais que pareça  insano, a teoria da “boca de jacaré”, aventada por Leonel Brizola, ganha ares de confirmação científica.
        A teoria propagada pelo velho caudilho consistia em esclarecer os procedimentos do poder da elite (casa grande) em manipular as pesquisas e dar uma sensação de derrotismo aos candidatos que oscilem um pouquinho para a esquerda.
       Quando candidatos indesejados pela casa grande, no caso as coligações que andam com o partido dos trabalhadores, o PT, ficam bem posicionados na pesquisa, a “boca de jacaré” joga dados quase fictícios para a patuleia absorver sem questionar.
       O método é simples. No início da corrida eleitoral as pesquisas favorecem os candidatos palatáveis para a burguesia, mesmo não sendo realidade, muitos tendem a acreditar e confirmar esses números por querer ter um voto útil, ou seja, votar em um vencedor.
       José Bonifácio Sobrinho, o Boni da rede Globo, assumiu utilizar esse recurso nas eleições para governador de Brizola e nas presidenciais entre Fernando Collor e Luiz Inácio Lula da Silva. Por motivos óbvios a Globo e as Elites burra e fascista brasileira escolheram Collor e o opositor de Brizola.
       Utilizaram o mesmo recurso com Marina Silva e Aécio Neves para diminuir a rejeição do primeiro, dividir os possíveis votos para Dilma Roussef e assim garantir pelo menos um segundo turno.
       No início da campanha presidencial com Marina na cabeça de chapa, os números favoreciam ela e até mesmo ventilava-se ela vencer com folga no segundo turno. Conforme chegava perto do dia do pleito os números foram ficando realistas e até a improvável “virada” de Aécio surgiu e a população não achou estranho esses  números que nunca oscilaram mudar abruptamente.
       É claro que as pesquisas e os noticiários tupiniquins exaltavam esses números e muitos incautos acreditaram neles até o dia da eleição. Uma improvável vitória seria lucro, mas a direita ainda aposta na burrice do povo pobre para retomar o poder.



segunda-feira, 29 de setembro de 2014

MOMENTO DUVIDOSO



O momento pede atenção
A luz
O tato
A aura e a intuição
Perceber o espectro
Que a ciência renega
Caçoa
Mas na intimidade da análise científica
Onde observador e objeto interagem
Dando uma exata e ilibada
Dúvida

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

TODOS QUEREM SER WINSTON SMITH



     Winston Smith, personagem de “1984”, romance de George Orwel resume o ideal de muitos homens e mulheres.
     A personagem que deixou os anos de sua meia-vida ir pelo ralo, o atrito desgastante da rotina de alguém que deixa o tempo passar.
     Esposa nem sabe como perdeu, não faziam mais falta um para o outro, fim do amor e da paixão somada em uma solidão a dois resulta em desapego, desimportância e até mesmo deselegância.
     Além do cigarro e gim “Vitória”, Smith não tinha muito que fazer ou desejar.
     Pessoas ditas normais, pertencentes à base de nossa pirâmide social como Winston, encontram-se na mesma situação de impotência.
     Ao contrário do personagem de Orwel, estas pessoas possuem  entretenimentos ,vontade de consumo, TV, internet,  Celular e cerveja.
     No romance, Orwel faz sua personagem conhecer-se, rebelar-se, sofrer, violentar-se  e esquecer-se.
     TV, internet e celular fazem o mesmo quando usado apenas como entretenimento em demasia. Eles estão engolindo crianças e adultos por horas e horas. Todas elas perdidas em sua quase totalidade.
     Muitos como Winston, tentam subverter o sistema contra as engrenagens opressoras do meio cultural, social e econômico até receberem uma bala no crânio amando o Grande Irmão.



segunda-feira, 15 de setembro de 2014

JULIÃO , O BRASILEIRO



   A personagem mais brasileira que conheço chama-se Julião.
   Julião é o inteligente e pobretão parente distante de Jorge no romance “O primo Basílio” de Eça de Queiroz.
   Julião é advindo da classe proletária portuguesa, similar a atual classe “C” brasileira, inadaptado e isolado; um materialista revoltado contra a sociedade porque se sente desprezado por esta, almejava pertencer economicamente ao invejado circulo de seu parente engenheiro.
   Em meio ao clímax da novela, Julião chega mesmo a ser humilhado por Basílio quando fora visitar Luíza, esposa de Jorge.
   A humilhação foi registrada em forma de queixa a um amigo, no calor da emoção dizia se orgulhar de suas botas proletárias, mas dignas.
   Julião por ser inteligente e desprovido de renda digna, é o que mais sofre no romance.  Recebeu apelidos sugestivos como "tripa velha", " isca seca", " fava torrada", " saca rolhas".
   Nas páginas finais da obra, Eça de Queiroz presenteia o herói com uma vaga na esfera pública lisboeta.
   Julião dá adeus as humilhações e privações de todas as páginas passadas, agora é que a vida começa.
   Agora classe média , Julião desprezava os pobres e abraçava os valores da nobresa portuguesa, similar aos valores da elite brasileira.

   A semelhança entre Julião e os eleitores de Marina Silva, entre eles a rede GLOBO , não será coincidência , será aristotélico. A vida imita a arte!

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Delfim e os BRICS


     Delfim Neto fez uma ilustração semanas atrás sobre como seria a melhor forma do banco dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) dar certo.
     Ele aponta que a China por sua opulência econômica deve ser o primeiro país a presidir o banco.
     Delfim entende que fazer a divisão de capital e voto do grupo em partes iguais na administração do banco é o caminho mais sensato.
     Se a divisão for feita desta forma, com um mandato de dois anos, cada país envolvido ficará na presidência do banco.
     Se o banco conseguir criar um meio de fomento comum para economias tão díspares, mas unidas pela exclusão por parte do G7, conseguirá sucesso nesse empreendimento. 
     O Brasil rumará nos trilhos da tão aclamada industrialização, ponto sensível em nossa emergente, apesar dos avanços, ainda muito excludente economia.
     Boas ideias e bom senso não possuem corrente ideológica ou partido.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

POVO-GADO



    O senso-comum (povo-gado) está sendo manipulado pelos veículos de comunicação a votar em Marina Silva devido a queda de Aécio Neves na preferência do eleitorado.
    As pessoas no Brasil tem um ódio de PT sem saber o porquê, mas, o reproduzem assim mesmo. Não entendem que hoje o que há é um leque de alianças partidárias, e, que chamar alguém de petista ou comunista não tem mais propósito devido a plasticidade das alianças.
   Quem votará em Marina Silva será a parcela da classe "C" fascista que não admite um representante do povo estar lá, querem ver homens de gravatas com uma verborragia aquém de seu entendimento.
   Outra parte é a elite e seus bajuladores que acreditam ser uma injustiça um representante das oligarquias brasileiras não estar no poder.

   Exceto a elite, só ingênuo, desinformado ou despolitizado votaria em Marina Silva ou Aécio Neves.





segunda-feira, 25 de agosto de 2014

GESTO LOUCO





Não entendo o gesto louco

Que desfaz já quem eu sou.

Uma imagem,

Uma nuvem

Que o vento dispersa.

Morro de lembranças.

O passado assume o custo

Hoje de tudo que eu era.

Poesia,  me restou.

Restos, apenas restos

Que fui,

Que serei

E o que não sou.












segunda-feira, 18 de agosto de 2014

NOITE A DENTRO VIDA À FORA

Seguia eu pela noite
Lua, ruas, esquinas
Uma luz, um bar
Alguém, um copo e um gelo
Sonhos
Fantasias
Mentiras e frustrações
Seguia eu pela madrugada
Ruas, breus, um beco
Som, um canto
Alguém, cânhamo e isqueiro
Ideologias
Fantasmagorias
Mentiras e decepções

Seguia eu pela vida...

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

VINHOS POPULARES (saindo do buraco)


      O exercício de preparar um prato só é válido acompanhado de um bom vinho com pelo menos um sabor razoável.
       Os portugueses estão me perseguindo. Sou um grande apreciador dos vinhos chilenos como os da Concha y toro, mas os “portugas” estão me cercando.
       Anos de um relacionamento estável foram quebrados pelas sucessivas “puladas de cerca” com os vinhos alentejanos. Adorei.
      Comecei com o Porta da Ravessa, arrisquei experimentar o “vinho verde” da Casal Garcia.
       O vinho verde da Casal Garcia é um vinho semelhante ao Lambrusco, razoável mas não indispensável.
       O ápice do romantismo se deu quando experimentei outra aposta da Casal Garcia, o vinho tinto. Uma maravilha. Vinho saboroso, honesto e acessível.
        Vinhos chilenos e portugueses estão mais acessíveis ao bolso e paladar brasileiro, sendo este último a principal barreira a ser transposta.

         O Brasil e o brasileiro ainda continuam refém da cerveja por um efetivo trabalho de marketing, mas, esse perfil está mudando, o povo, a emergente classe “C”, havida por consumo rápido, poderá consumir vinhos, uma bebida melhor.

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

HORÁRIO ELEITORAL LIGHT



     A charge de Claudius na revista “Caros Amigos” do mês de junho desse ano retrata bem cenário político e o que será o horário eleitoral gratuito das eleições de 2014.
    Até pouco tempo, o horário eleitoral gratuito era recheado de revelações bombásticas e golpes midiáticos.
    Por falar em golpe midiático, quem não lembra do golpe baixo que  FHC e a trupe do PSDB deram na família Sarney, aliado desde o primeiro mandato tucano ?
     Em 2002 para poder elevar o índice nas pesquisas de José Serra, que era 7% e obstruir a subida meteórica de Roseana Sarney, O PSDB valeu-se da máquina pública e deu holofote a um escândalo envolvendo o marido de Roseana, Jorge Murad em propinas e desvio de dinheiro público. O caso não deu em nada, mas sabotou a prematura candidatura ao planalto da herdeira do feudo maranhense.
     O plano inicial era Zé Serra ser candidato a presidente e a Sarney vice. O que determinou a mudança desse plano foi Roseana dizer no jornal da Globo que um candidato a presidente ter 7% das intenções de votos espontâneas e o vice ter 17% é no mínimo inviável. Em outras palavras, Roseana queria ser cabeça de chapa.
   A operação como de costume acabou em pizza, mas foi fundamental para “Lula paz e amor” (apelido dado pela elite direita?) assumir a presidência com a esperada Carta ao povo brasileiro.
  Na carta Lula dizia que comunista não come criancinha, que ninguém e débil mental em decretar moratória se você dirige umas das maiores economias do mundo e outras obviedades que a direita via rede globo apavorava o populacho menos esclarecido.
  Sarney com certeza foi “fiel da balança” para o PMDB chegar na presidência no caminho aberto pelo PL.
  Essa é apenas uma das inúmeras ocasiões que criaram “telhados de vidro” para as três principais coligações que disputarão o primeiro turno.
  Tudo indica que teremos um horário eleitoral light, mas quem será que vai chutar o balde? Aecinho ou Dudu beleza?
  A presidenta o que tudo indica não irá participar de debates no primeiro turno, afinal FHC e LULA fizeram o mesmo. Poderemos ter debates em que candidatos conversam com móveis, como cadeira?

  Quem arriscaria um palpite?

segunda-feira, 28 de julho de 2014

O CHORO DO TRAÍDO




     Existem três mascates que residem em uma casa alugada nos fundos de uma residência da periferia de Caarapó.
    Em Caarapó o senso-comum não encontra diversão além de beber, jogar ou fumar cigarro paraguaio.
    Os três mascates envolvidos nesse ambiente, foram despertados pelo mascate mais novo, 23 anos, briguento, sonhador e com energia advinda da idade, chama atenção de seu colega:
    -Você reparou que o “tiozão” ainda não chegou?
    -E daí ? Deixa o cara mano!
    O colega era o mascate de 27 anos. Fazia o tipo observador. Ouvia, entendia algumas coisas e outras nem tanto.
    Normalmente quando havia discussões na casa o colega era o voto inerva de qualquer assunto. De cocô a bomba atômica.
    Era domingo à noite, cruza o mascate mais velho pelos dois que estavam sentados diante da televisão.
   O mascate mais velho é separado e apreciador de uma “cachacinha” barata vendida nos botecos da cidade. É uma pessoa de olhar doce e compreensivo.
   O mascate mais novo entabulou um debate sobre o vício da bebida que culminou em severas críticas ao mascate mais velho, sobre seu habito de beber e o insuportável odor que ele emana ao chegar do bar.
   O cachaceiro reagiu com veemência, afirmou que o habito de tomar seu “mé” só correspondia a ele e a mais ninguém.
   O mascate de 27 anos que até aquele momento não se manifestara, deu uma risadinha caçoando do mais novo por ter levado um “queimão” do “Tio”.
   O novato enfurecido ao som da risada de seu colega solta um golpe-baixo verbal:
   - Pelo menos eu não tomei guampa por causa da cachaça!
E foi mais além:
   - Enquanto você tomava “pinga” sua ex-mulher tomava “pica” do Zé Adão, homem que você considerava um irmão.
   As faces do “Tio” ficaram ruborizadas, seus olhos vermelhos dando um ar desfigurado ao seu rosto. Um assassino, um psicopata se formava em seu rosto olhando fixo para o novato.
   Não contente com o resultado, o novato arrematou:
   - Zé Pedro também era teu irmão de “Pinga” e “guampa”.
   - Enquanto você tomava um “liso” com Zé Pedro, Zé Adão comia a sua mulher e a dele, dependia do dia. Acho que até as duas juntas ele “traçou”.
   As gargalhas retumbantes no ambiente foram o suficiente para o “Velho” avançar em direção ao novato, olhar no fundo dos seus olhos, e começar a chorar.





segunda-feira, 21 de julho de 2014

CLONES DE VERDADE




     Li o artigo de Jaques testar. Nele, o cientista que foi o pioneiro na reprodução “ in vitro”, alerta para  o perigo de haver um comércio de espermas como mera mercadoria. O DNA etiquetado.
     Nele o doutor compara essa possibilidade de mercado ao comércio pecuarista, onde cinquenta touros são responsáveis por todo o mercado de carne Europeu. Resumindo, 50 ou 60 touros são “pais” dos 240 mil que são comercializado no mercado pecuarista.
     No Brasil não é muito diferente, o mercado de espermas bovinos é o que mais cresce.
Não é impossível de imaginar que o mercado de desejos humanos consiga chegar nesse segmento. O DNA humano.O bebê perfeito.
     O bebê perfeito seria o estereótipo do “bebê Jhonson”,louros e de olhos azuis. Todos iguaizinhos. Você acredita que o senso-comum e as elites vão querer algo diferente?

    Se na Europa isso já causa temor,imagina quando chegar no Brasil? Povo e políticos corruptíveis por um baixo preço, elite desejosa de diferenciar-se do biótipo brasileiro. Seremos um dos primeiros laboratórios de clones oficiais no mundo. Lembrei da novela “O clone”.

segunda-feira, 14 de julho de 2014

O povo burro, copa e segundo turno





         O Brasil, ou melhor, a seleção brasileira foi derrotada em sua própria casa, prato cheio para o “Tea party” brasileiro agir utilizando a frustração do povo, a derrota, o seu ópio estragado por quatro anos.
         Se mergulharmos na história recente do Brasil, veremos que “jogadas de marketing” sempre foram armas eficazes para “manear” e controlar o povo-gado.
        O populacho domina e é dominado pelo facebook. É possível que seja a mídia que mais o atinge.
        É lá no “face” que vemos a atuação dos “adeptos-manipulados” do “Tea party” brasileiro espalhando viral e inconscientemente o discurso e ideias como o “#não vai ter copa” etc.
        Mídia e internet não param de bombardear  nossas mentes com o lado negativo da copa, descalabros da FIFA, gastos excessivos do governo Dilma que será pago por você cidadão idiota e outras formas pejorativas em ralação ao governo.
        Um discurso com total falta de embasamento como o “#não vai ter copa” foi comprado pela parcela manipulada da sociedade que infelizmente é a maioria.

        A  direita sabe que tem mínimas chances de conseguir vencer a eleição presidencial ,mas se conseguir atrapalhar um pouco levando a eleição para o segundo turno, seu papel já pode-se considerar bem feito.

segunda-feira, 7 de julho de 2014

O HOMEM INVÍSIVEL



      O futuro de ontem que estamos vivendo no presente culmina com o aprimoramento das possibilidades de sermos encontrados a qualquer tempo, visíveis vinte quatro horas por dia.
      Quando surgiu o serviço do Messenger (MSN) da Microsoft muitos se perguntaram se ele poderia acabar com os modos tradicionais de comunicação ou  escrita.
      Óbvio que o MSN modificou e ampliou a comunicação entre as pessoas que participam e tem acesso ao mundo virtual.
      O MSN foi e hoje temos o SKYPE decadente que em breve dará lugar ao whatsapp, ou seja, não é preciso mais ter um computador para ter acesso e participar do mundo conectável.
      Estando conectado na web e disponível de manhã à noite, as pessoas participam de um Big Brother voluntário, sempre acessível e ao alcance de todos. Você pode ignorar ou não responder as mensagens, mas, você e os outros sabem e veem você ali.
      Acredito que redes sociais surgem e acabam para dar lugar a uma plataforma mais sedutora que também terá sua obsolescência abreviada pela urgência de lucros. Orkut e MSN são exemplos disso.
      O contrário também ficou possível.
      Se alguém não quer ser percebido, quer “sumir” socialmente, basta não estar conectado e interagindo com tais instrumentos.
      Não terei whatsapp quando acabar o Facebook para dar lugar a outra rede social mais moderna também não irei aderir.
      Vou me tornar oculto na sociedade digital. Serei o homem invisível digital.
      O homem moderno carece de solidão.




segunda-feira, 30 de junho de 2014

Um Junkie em Dourados



       Getúlio foi ao cinema. Estava fechado. Motivo? Chuva.
       Como o cinema estava fechado ele resolveu dar uma volta por Dourados.
       Por volta da meia noite encontrava-se ele em um bar “underground” douradense.
       No bar ele entabula conversa com um rapaz que tinha o apelido de Zumbi. Por seu nome Marcos ninguém o conhecia.
       Zumbi tinha mais dois de sua grei que se chamavam Luiz e Rogério.
       Com Luiz e Rogério cheirou cocaína, tomou vodca e cerveja.
       O resultado da noite para ele fora constatado no dia seguinte como uma bela experiência de perda de tempo.
       Não se perdoava por ter chegado às quatro e meia da manhã, dormir o dia todo e despertar somente às seis da tarde. Perdeu um lindo dia chuvoso, seu favorito por uma ridícula noite pesudojankie.
       Percebera nesse momento que não tinha aptidão para uma vida junkie junto ao baixo clero, onde a cocaína era de péssima qualidade e o crack era acessível. Logo crack. Ele odeia crack.
       A noite anterior lhe mostrou que antes estar só do que mal acompanhado.
       Para não dizer que tudo lhe foi ruim, ele aconselhou um dos jovens indeciso a cursar licenciatura.        
       Ele espera que o rapaz faça vestibular e deixe essa vida de consumidor de cocaína de baixa qualidade.
       Ao final do conselho eles tiveram que sair às pressas do bar por que alguém iria dar uns tiros em um dos rapazes que lhe acompanhavam e ele não queria ser alvo de uma bala perdida.
       Bar Chopperos e Satifaction não lhe verão tão cedo.




segunda-feira, 23 de junho de 2014

O não-lugar




          Belo final de tarde, eu, na estrada.
          Paro para vislumbrar quem vem e quem vai, desce ou sobe, parte ou chega.
          Dentre as opções anteriores, a maioria que está cruzando a estrada não vai ou vem, apenas ficam.
          São pessoas que são ou tornaram-se do lugar.
          Pertence a elas o chão e o desgaste do mesmo que elas lhe causaram entre suas eternas idas e vindas.
           Lugar, pertencimento, enfim, pertencer a um lugar parece algo simples, mas não é.
           O que nos prende a um lugar é tão sensível e tênue que é quase inexistente.
           Na verdade o lugar não prende ninguém, mas, as pessoas sim e as lembranças que elas causam.
           Do mesmo modo o que nos faz sair e repulsar algum lugar são elas, as mesmas pessoas e lembranças.
           São mágoas e más lembranças que nos fazem agir e tomar atitudes de mudança, muito mais do que a perspectiva de vitórias e prazeres.

          O que pode ocorrer também é que a pessoa pode estar causando mal para si mesma. Nesse caso de nada adianta trocar de endereço. É mais prático e saudável trocar de mentalidade.




segunda-feira, 16 de junho de 2014

Adoro domingos de chuva quando estou só.


 


    O dia chuvoso além de poético deixa-me mais à vontade em casa. As pessoas não te visitam e você não visita ninguém. Você e sua própria companhia. Uma delícia.
    O bom de curtir um domingo cinza e chuvoso é com uma boa companhia, nesse caso, pode e deve ser você mesmo.
    Quando seus pensamentos lhe fazem agir e sentir-se bem, não há limites para sua felicidade e juventude. Sim juventude.
     Minha juventude beira aos quarenta anos e cada vez fico mais à vontade sendo o jovem que sempre fui.
     Como  Antoine de Saint-Exupéry, ficava falando de coisas práticas quando era mais jovem e mentalmente mais velho.
      No caso do Brasil as coisas práticas resumem-se em dinheiro e maledicências da vida alheia. Verdade! Maledicências da vida alheia.
       Leandro Karnal acredita que o ódio une mais que o amor. É verdade. A prática de ouvir maledicências alheias corrobora essa afirmação.
      Quando o assunto é dinheiro, não muda muita coisa, exceto a segregação dos que tem e os que não têm.
      Quando se assume a juventude que grita na alma para ver-se liberta, vemos que a maioria dos assuntos, sonhos, e convenções do pensamento médio é um imenso e verde pasto para o gado. O povo de pessoas cinza normais.





segunda-feira, 9 de junho de 2014

ESCREVAM À MÃO




     


      Hoje consegui postar cartas no correio. Ha tempos não fazia isso.
      A intensidade da vida gerada pelo entorpecimento das massas cria a sensação de um ritmo de vida mais acelerado.
      Vejo literalmente em minhas expansões mentais a engrenagem de Chaplin moendo o povo. Massa leniente como calda de cana. Seres que viraram suco.
      Tendo essa sensação de pouco tempo, nos acostumamos a fazer menos coisas, pensar menos coisas, enfim, em ser menos coisas.
      Escrever cartas a próprio punho em papel torna-se um ato de protesto e ternura necessário.
      Empresas como Google e ICCANN não podem (ainda) violar nossas correspondências tradicionais em envelopes.
      Microsoft ou Apple não possuem software para decodificar nossas letras advinda de uma caneta.
      Semiadormecidos e despertos de todo o mundo, escreveis à mão !




segunda-feira, 2 de junho de 2014

Espremendo o “Homem cordial”



      

     A elite funciona como a máquina da MATRIX. Ela não deseja a morte dos seres humanos pois vivem da energia que eles geram, que, em nosso contexto é a força de trabalho, mão-de-obra essa subaproveitada e execrada pelo baixo salário e baixa educação.
     Educação, inteligência acima da média e pró-atividade são rejeitadas pelas elites e suas grandes corporações.
     O ideal que eles buscam é um ser obediente, mal pago, cordial, treinado e eficaz. Enfim, “O homem que virou suco”.






segunda-feira, 26 de maio de 2014

Francisco franciscano



 


    Eu vi um andarilho no sol, mas não vi seu rosto. O tempo congelou uma foto sua em minha memória. Dei meia volta decidido a bater uma foto dele naquele cenário de produção alimentar em frente a um faminto.
    O milharal seco, sem possibilidade de consumo humano, ele, um rosto honesto que poderia esconder qualquer bandido e uma mochila e um saco que carregava.
      Seu nome é Francisco, se diz carioca, torcedor do fluminense. Esteve em Guaíra no estado do Paraná e atualmente estava naquela estrada para chegar a Maracaju.


     De Maracaju ele quer chegar a Campo Grande e da capital encerrar sua caminhada em Camapuã, pois lá tem “conhecidos” que o ajudarão com comida e com os documentos que perdera nos percalços da vida e assim recomeçar.
     Recomeçar. Palavra essa que nos assola em todos os momentos de adversidades cotidianas ou existenciais.
     Francisco com certeza é alguém que qualquer um percebe que ele está literalmente recomeçando.
       Apenas uma mochila e um saco de linhagem repleto de latinhas de alumínio. Esses são os ingredientes da receita de Francisco para recomeçar.

     Como acredito que a caminhada de Francisco era dele e de mais ninguém, dei-lhe um presente muito útil naquele cenário adverso e hostil: Boas dicas.
     Recomendei-lhe que fosse fazer um boletim de ocorrência (B.O) dos documentos, procurasse a secretaria de assistência social para fazer os documentos de graça e uma igreja católica com ação social para garantir-lhe pouso e comida por alguns meses.
     Pleitear um emprego no “obrão” ou nas lavouras na safra de milho que se avizinha era uma opção razoável para quem possui baixa escolaridade.
     Francisco caminhando franciscanamente pelas rodovias do Mato Grosso do Sul. Sua estrada, seu recomeço.


segunda-feira, 19 de maio de 2014

COMO VOCÊ PODE QUERER SER LIVRE ?


Como você pode querer  ser livre,

Se é comprado e vendido no mercado?

Como você pode ser livre,

Se é comprado e vendido no mercado?

Não entende que quando é demitido,

Você foi comprado,  vendido e descartado no mercado?

A promoção a um cargo vil,

É ser comprado e precificado no mercado.

Você vai matar para desmentir

Que é comprado e vendido no mercado.

Pão, circo, facebook,  Skype  e TV


Para você ser comprado e vendido no mercado.




MODALIDADES

KBÇÓIDES POÉTICOS