DIGNOW

dd25481f-20bb-4f62-8de5-5ff4a655050c

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Francisco franciscano



 


    Eu vi um andarilho no sol, mas não vi seu rosto. O tempo congelou uma foto sua em minha memória. Dei meia volta decidido a bater uma foto dele naquele cenário de produção alimentar em frente a um faminto.
    O milharal seco, sem possibilidade de consumo humano, ele, um rosto honesto que poderia esconder qualquer bandido e uma mochila e um saco que carregava.
      Seu nome é Francisco, se diz carioca, torcedor do fluminense. Esteve em Guaíra no estado do Paraná e atualmente estava naquela estrada para chegar a Maracaju.


     De Maracaju ele quer chegar a Campo Grande e da capital encerrar sua caminhada em Camapuã, pois lá tem “conhecidos” que o ajudarão com comida e com os documentos que perdera nos percalços da vida e assim recomeçar.
     Recomeçar. Palavra essa que nos assola em todos os momentos de adversidades cotidianas ou existenciais.
     Francisco com certeza é alguém que qualquer um percebe que ele está literalmente recomeçando.
       Apenas uma mochila e um saco de linhagem repleto de latinhas de alumínio. Esses são os ingredientes da receita de Francisco para recomeçar.

     Como acredito que a caminhada de Francisco era dele e de mais ninguém, dei-lhe um presente muito útil naquele cenário adverso e hostil: Boas dicas.
     Recomendei-lhe que fosse fazer um boletim de ocorrência (B.O) dos documentos, procurasse a secretaria de assistência social para fazer os documentos de graça e uma igreja católica com ação social para garantir-lhe pouso e comida por alguns meses.
     Pleitear um emprego no “obrão” ou nas lavouras na safra de milho que se avizinha era uma opção razoável para quem possui baixa escolaridade.
     Francisco caminhando franciscanamente pelas rodovias do Mato Grosso do Sul. Sua estrada, seu recomeço.


MODALIDADES

KBÇÓIDES POÉTICOS