DIGNOW

dd25481f-20bb-4f62-8de5-5ff4a655050c

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Delfim e os BRICS


     Delfim Neto fez uma ilustração semanas atrás sobre como seria a melhor forma do banco dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) dar certo.
     Ele aponta que a China por sua opulência econômica deve ser o primeiro país a presidir o banco.
     Delfim entende que fazer a divisão de capital e voto do grupo em partes iguais na administração do banco é o caminho mais sensato.
     Se a divisão for feita desta forma, com um mandato de dois anos, cada país envolvido ficará na presidência do banco.
     Se o banco conseguir criar um meio de fomento comum para economias tão díspares, mas unidas pela exclusão por parte do G7, conseguirá sucesso nesse empreendimento. 
     O Brasil rumará nos trilhos da tão aclamada industrialização, ponto sensível em nossa emergente, apesar dos avanços, ainda muito excludente economia.
     Boas ideias e bom senso não possuem corrente ideológica ou partido.

Um comentário:

Luma Rosa disse...

Não sei em que o Brasil possa contribuir tecnologicamente. Na área de inovação estamos arcaicos se comparados aos demais e por isso o viés político se confirma quando chamam a Argentina para integrar o bloco. A nossa indústria não é competitiva e já temos produtos chineses demais no mercado, um acordo de livre comércio não seria legal para nós. Delfim vai na ferida!
Beijus,

MODALIDADES

KBÇÓIDES POÉTICOS